quinta-feira, março 06, 2008

Picolé de jaca

Está fazendo um calor ipatinguense hoje. Aliás, Ipatinga era tão quente que derretia o asfalto. Juro. A gente ficava remexendo aquele piche derretido na rua e chegava em casa com a unha preta até a metade. Aí as mães pegavam creolina, estopa e limpavam aquilo na base da brutalidade pura. Depois, a recomendação era não passar nem perto do fogão para não sair correndo pela casa em chamas.

Meu pai, que morre de medo de cobra, juntava os filhos para matar as jararacas e corais que apareciam na copa lá de casa. Do lado do lixo tinha um pau de matar gambá. Meu irmão do meio uma vez chutou um ouriço caixeiro achando que era tatu e, se não estivesse de botas, teria furado o dedo. Isso sem falar que era só entrar na mata em frente de casa para tropeçar num teiú.

Sophia não vai ter uma infância assim. Vai ter outra diferente que pode ser até melhor, quem sabe. Mas eu não desisto e criei uma referência nota 10 pra ela: picolé de jaca. Ela experimentou, gostou e agora todo picolé que vê já é picolé de jaca. Ela também gosta de vacas e, outro dia, ouviu pela primeira vez o som de uma cigarra e adorou.

É pouco, mas é o que temos para o momento.




Direto na têmpora: O assassinato do camarão - Originais do Samba

8 comentários:

toomuchocoffeeman disse...

redatozim, meu velho, triste é a constatação de que somos a última geração urbana de quintal (pelo menos eu sou0.

somos do tempo que mamona não era um peito grande.

NDMS disse...

Redartozim, você esqueceu do morcegos que matávamos com a raquete de tenis, no corredor da casa. Bem, quando venha Sophia ela vai ver galinha no choco, pássaros variados, maritacas e papagaios, que te despertam pelas manhãs e, ainda, iguanas de todos os tamanhos e cores e, para finalizar o nosso orgulhoso Guto, que muitos o apelidam de Pavarotti, pelo seu belo cantar

alessandra disse...

e eu que morei no meio do mato e quando saía pra brincar minha mãe dizia: "cuidado com a onça!"... hahaha
bons tempos aqueles...
beijo!

redatozim disse...

toomuchcoffeeman, mamona era munição de guerrinha e não o combustível do futuro.

redatozim disse...

vai ser bom mesmo, ndms, agora, o canto do guto só é binto depois das 8h da matina.

redatozim disse...

isso sim é bacana, alessandra. um amigo meu tinhanum quati de estimação quando morou no pará.

zega disse...

sobrou algum? troco por um picolé de tamarindo, já que o de murici já não fabricam mais por falta de matéria-prima... =(

redatozim disse...

Ô Zega, ela provou daqueles picolés de água suja que vendem na praia mesmo. Agora, na São Domingos tem um sorvete de jaca nota 10.