segunda-feira, setembro 10, 2007

O caboclo é foda

Sou fã de tênis e posso dizer que tenho sido privilegiado. Acompanhei ao longo dos anos alguns dos melhores jogadores da história do esporte: Borg, Connors, McEnroe, Becker, Lendl, Agassi, Sampras e aquele que parece ser o melhor de todos os tempos, Roger Federer.

Ontem o rapaz de 26 anos conquistou seu 12o título de Grand Slam. São 5 em Wimbledon, 4 no US Open e 3 no Australian Open. Ainda não conquistou Roland Garros, mas dos citados acima, só Agassi venceu nos quatro pisos, e nunca no mesmo ano. Além disso, essa foi a décima final seguida de Grand Slam disputada por Federer, sendo que ele venceu 8, perdendo as outras duas para Nadal na França.

O recorde em títulos de Gand Slam é do Sampras, 14, mas ele só atingiu essa marca aos 31 anos. Ano que vem, nessa mesma época, Federer já pode ter batido mais esse recorde (e tudo indica que será assim). São 188 semanas seguidas como líder do ranking, marca que nenhum outro tenista, homem ou mulher, obteve.

Resumindo, esse post é só pra dizer que essa é uma ótima época pra quem gosta de tênis. O suíço é realmente foda.




Direto na têmpora: Flores astrais - Secos e Molhados

7 comentários:

Gláucio disse...

É impressão minha ou vc só curte esportes que estão em baixa no país?

Vai falar do campeonato de bocha semana que vem?

Redatozim disse...

Qual esporte está em alta no país, Grarco? Vôlei e ginástica olímpica? Depois me fala aí que eu escrevo sobre eles. Um perfil completo do Giba pra você, quem sabe? No mais, bocha é uma boa, um dos poucos esportes que se pode praticar comendo e bebendo.

don oliva disse...

Infelizmente desta estou mais fora do que "cabeça de bacalhau"(sic).
Para mim, Grande Slam, é um sacerdote xiita (pode também ser sunita) muito alto. hehehe

Rubens disse...

Acho o Federer meio como o Michael Schumacher: um campeão incontestável, dono dos maiores recordes, uma lenda viva. Mas não é que a gente gosta mesmo é dos Ayrton Senna, dos Gilles Vileneuve, e de todos aqueles que, se não foram os maiores campeões e recordistas, certamente foram os que mais nos fizeram vibrar com o esporte. Carisma, para um campeão, é essencial.

Rubens disse...

Adorei seu comentário, Oliva. Grande sacerdote xiita é ótimo! hehehe...

Redatozim disse...

boa, Oliva rs

Redatozim disse...

Bom, eu que sempre fui fã do Piquet (o anti-simpatia) tendo a discordar, mas seria como compará-lo com o Agassi.
Ah, uma frase dele logo após o US Open que você iria adorar. Perguntaram se o Djokovic, número 3 do mundo, passaria o Nadal como número 2. A resposta dele foi: "Número 2, número 3, nada disso importa. O que importa mesmo é o número 1 e só."
Humilde o garoto.