sexta-feira, outubro 17, 2008

O substituto

Juro que, depois de 4 posts ontem, resolvi que não postaria hoje, mas aí me lembrei de um caso que preciso contar aqui.

Em certa campanha política, o candidato a prefeito era um excelente administrador, pessoa honesta, competente, mas sem muito trato com o povo. Quando chegava a época de eleições e não tinha mesmo jeito, o homem ia pras ruas pedir voto e tal.

Só deixando claro, não acho que o cara tomar cafezinho com o povo faça dele um prefeito melhor e nem considero o administrador competente e frio um prefeito pior. Só que a arte da política pede este contato, e o calcanhar de Aquiles do caboclo era justamente esse.

Pois bem, nosso prefeito sempre mirava um grupo de longe e ia se aproximando por um lado, enquanto o seu vice chegava pelo outro. A abordagem era direta: “oi, pessoal, tudo bom, vim aqui pedir o voto de vocês para continuar o trabalho, etc, etc.”.

Até aí tudo bem. Só que se o grupo fosse de menores ou se mostrasse antipático a ele, dava-se a seguinte cena. Nosso prefeito encerrava a conversa, apontava pro vice e disparava:

“Vocês conhecem o meu vice, Fulano, olha ele aí.” E antes mesmo de acabar a frase, já estava 5 passos à frente, partindo para outro alvo.

A tática é tão boa que vou começar a usar quando me chamarem para reuniões.

“Vocês conhecem meu dupla, o Maki? Olha ele aí.”




Direto na têmpora: Punch Drunk – Pennywise

6 comentários:

ndms disse...

Boa tática

redatozim disse...

Bem executado chega a ser uma arte, ndms.

Jonga Olivieri disse...

Formei uma dupla que durou cerca de cinco anos. O engraçado é que quando iam se referir a qualquer um de nós as pessoas diziam: "Fulano... e/ou".
Isso porque sempre um levantava a bola e o outro chutava.
Tá certo Maurilão... tá certíssimo!
Don Oliva

danny falabella disse...

Maki deve estar amando este post...hehe

redatozim disse...

OLiva, dupla eh pra essas coisas, neh nao?

redatozim disse...

Danny, o Maki ama reunioes.