quarta-feira, setembro 20, 2006

Morto de viagem

Atendendo a pedidos da Alessandra aqui da TOM, relato uma viagem bacana de BH a Ipatinga. Viação Presidente, ônibus razoavelmente cheio, seguia eu para a terra natal naquele horariozinho do meio da tarde quando o sol incomoda o trajeto todo. Sentava no corredor e, na fila do outro lado, um senhor dormia pesado quando chegamos ao 5 Estrelas, parada obrigatória ali perto de Monlevade. A menina que estava ao lado do senhor, para não acordá-lo, fez um certo contorcionismo e saiu.
Na volta, a menina tenta cutucar o homem para passar. Chama uma vez e nada. Esbarra na perna dele e nada. Aí bate o desespero, "esse cara morreu". A menina fica histérica, chama o motorista, alguém liga para o socorro, gente comeca a passar mal e assim passam-se umas 3 ou 4 horas até que o corpo seja liberado e possamos seguir viagem.
Agora pergunta se eu dormi alguma coisa nos cento e poucos quilômetros restantes até Ipatinga.




Direto na têmpora: Let my love open the door - Pete Townshend

7 comentários:

Lê disse...

Esta história é ótima para espantar pessoas que estão rumo à nossa terrinha... (isso inclui a minha pessoa!!!) Depois que você me contou esta história, passei várias viagens cutucando as pessoas que estavam ao meu lado para garantir que estavam vivas!!! Beijo enooooorme redatozão!

redatozim disse...

Beijão, Lê. Comprei um carro justamente pra não andar mais de Presidente, mas imagina isso rolando num avião que delícia.

Lê disse...

Das duas, uma: compro um carro, ou pego carona para ir com você pra terrinha! :)
Quanto a viajar de avião... ih... agora você já implantou mais uma "neura" no meu ser... pronto!
Mais um beijo pra você, meu grande querido!

zega disse...

pelo menos foi o passageiro que morreu, né?

off topic.: vi sua tentativa de contato, mas meu messenger fica regurgitando tudo que eu escrevo... um saco... deve ser a banda larga da lápis (respondido? hehe)

redatozim disse...

beleza, zega. mais fácil pelo blog do q pelo msn é foda rs

Oliva disse...

Como disse Shakespeare: "O sono é o pressãgio da morte".

redatozim disse...

Porra, pegou pesado Oliva. Shakespeare no meu pobre blogzinho? Fiquei lisonjeado.