segunda-feira, janeiro 29, 2007

Apto 304

Quando o resgate chegou ela estava no chão e o frasco de comprimidos aberto sobre a mesa. Ficou duas semanas no hospital e, quando voltou, ninguém soube dizer quem tinha ligado para pedir ajuda. Na dúvida, mandou entregar um bolo caseiro para cada apartamento.
Todos de chocolate, mas apenas um deles com ciromazina suficiente para matar uma pessoa.




Direto na têmpora: Besame mucho - The Beatles

12 comentários:

roger disse...

gostei, hitch!
keep wrinting!

Redatozim disse...

Faltam poucos pro prédio acabar. Aí é só achar um mecenas pra bancar o livro.

oliva disse...

Um grande livro se faz com pequenos pedaços... lindo!

Redatozim disse...

Obrigadão, Oliva. O "causos" anda bombando também, hein? Parabéns, meu chapa!

oliva disse...

É Maurilo, que nem o Fênix, os "causos" estão voltando. E estou entusiamado, ressuscitando neurônios para contá-los.

Redatozim disse...

Que é isso, Oliva, estes heróicos 27 neurônios que restam ainda dão conta do recado muito bem. O blog segue ótimo.

Turca disse...

ô, readatozim, me manda um e-mail para turca2003@hotmail.com. Aí eu posso te dar algumas dicas e te passo meus dados, quem sabe eu possa me tornar sua guia aqui. Até vai poder andar de picape Chevy '65 conhecendo a cidade =)
Bjo!
Analia

Redatozim disse...

Opa, já gostei da disponibilidade, mas acho que não vai dar pra tanto. Eu e a patroa devemos ir de pacotão mesmo, estilo programa turista padrão. Mas vou mandar o email amanhã mesmo pedindo as dicas. Brigado, viu?
Bjo.

raquel disse...

besame mucho com beatles? nao conheço essa versão. me manda?

Redatozim disse...

Claro que mando, Kel. Vou só descarregar ela aqui no mac e te passo ainda hoje. É boa, bem boa.

Meuamigomyfriend disse...

Todo prédio tem um morador misterioso que ninguém vê ou sabe da vida dele. E aí todo mundo fica especulando sobre quem ele é ou o que faz ou o que tem em seu apartamento. Nas suas mãos pode virar um continho bem bacana.

Redatozim disse...

Ainda faltam as duas coberturas, então pode ser uma mesmo. Valeu, Rubéola!