quarta-feira, agosto 06, 2008

Grande arte porra nenhuma

Eu tenho preguiça de gente que segmenta a arte em alta e baixa, grande e pequena. Gente que fala de alta literatura e baixa literatura, então, me dá nos nervos. É que pra mim existe literatura que você gosta e que você não gosta, e o que é melhor, isso muda ao longo da vida.

Uma vez fiz uma doação de livros para uma entidade social e, no meio deles, tinha Paulo Coelho, algumas obras de autores desconhecidos, livros simples e sem grande reconhecimento literário. Quando comentei isso no blog de um amigo (já tem uns 3 anos), uma outra leitora veio me desancar, dizendo que é preciso doar o que é bom, incentivar o gosto pela leitura com as grandes obras. Aí eu perguntei quem definia o que era uma grande obra. Seria ela?

Pois bem, estou falando isso porque, mesmo com todo o tumulto de trabalho que ando vivendo, acho que nunca li tanto e cheguei à conclusão de que as únicas segmentações que me interessa fazer são: "gostei" ou "não gostei". Claro que existem autores mais "fáceis" de ler, outros mais "difíceis", mas isso me parece ter pouca ou nenhuma ligação com a qualidade do trabalho.

Por exemplo, na minha opinião, Kafka, Guimarães Rosa e Onetti são difíceis pra caralho de ler, mas beiram a perfeição. Já Calvino, Hemingway e Camus são leitura que flui, mas nem por isso perdem a genialidade ou a força.

Resumindo, o que a gente não pode fazer é deixar de ler.




Direto na têmpora: Easy - The Commodores

8 comentários:

Micho en el pais de las maravillas disse...

gostei!

redatozim disse...

Valeu, micho.

alexandre disse...

ó, redatozim, sei não, viu.

tem o escritor da moda, tem a lista certa de livros para ler ao longo da vida, tem a fase da vida que a gente lê livro.

exemplo. li recentemente "movimentos simulados" do sabino.
achei devagaaaar e juvenil.

talvez se eu tivesse lido esse livro com 20 e poucos anos, teria gostado mais.
assim como o miltom hatoum que li numa fase não muito legal da minha vida.

mas são escritores que pretendo reler, para ver qualé mesmo.

Rubens disse...

Tentando rotular, Andreas seria um autor "de peso"?

redatozim disse...

Mas foi exatamente o que disse, alxandre. Citando a mim mesmo: "é que pra mim existe literatura que você gosta e que você não gosta, e o que é melhor, isso muda ao longo da vida."

Percebe? Isso muda ao longo da vida, filhão.

redatozim disse...

rubéola, andreas seria mais "de peso" e menos "autor".

ndms disse...

Gostei muito do que você escreveu. Resume muito bem a relação arte / usuario

Meus parabéns

redatozim disse...

Valeu, ndms.