sexta-feira, julho 10, 2009

Racismo no clube

Li nessa matéria que um clube americano, pertinho de Pensilvânia, proibiu crianças negras e latinas de utilizarem a piscina.

As crianças faziam parte de um daqueles "Camps" americanos e a mensalidade para o grupo vinha sendo paga há um bom tempo.

A notícia é, em si, absurda e mostra de que o mundo pode ser mesmo mesmo apenas mais um dos círculos do inferno, mas o que me chocou de verdade foi o garotinho de 7 anos que perguntou a uma das responsáveis pela turma:

- "Eu sou negro demais pra entrar na piscina?"




Direto na têmpora: I was born (a unicorn) - The Unicorns

14 comentários:

alexandre, do quarto círculo disse...

redatozim, tou vendendo baratinho um lugar no terceiro círculo do inferno.

sobremesas à vontade, picanha argentina e cerveja belga e alemã.

redatozim disse...

fechado, alexandre. o único problema é que a sophia, por ser anjinho, não entra.

Mariana Iza disse...

Que absurdo!!!! É ridiculo, estou indignada, como podem existir pessoas que continuem discriminando desse jeito, e o que me deixa com mais raiva, é que eles fazem isso com crianças.

Danny disse...

tem certos lugares dos EUA que são de fazer nojo de tão racistas...infelizmente não vamos ficar livre de podreiras como esta (tanto de um lado qto de outro) não importa de onde vem...logico que este tipo de atitude é pior que o regime de cotas, mas racismo é racismo e é imperdoável.

redatozim disse...

imagina como esse menino vai crescer, marian... foda.

redatozim disse...

esse ainda é um mal mundial, danny, no brasil também tem coisa parecida

Jonga Olivieri disse...

Os estadunidenses* sempre foram racistas ao extremo. O estranho é acontecer em um Estado como a Pensilvania**. Imagine se fosse no Missouri ou no Texas?
"O nascimento de uma nação" de D. W. Griffith que considero um dos maiores filmes de todos os tempos (pelo menos em termos de gramática do cinema) é nojento do ponto de vista racismo.
É uma sociedade doente, seus heróis nacionais são assassinos exterminadores de índios.
Bom, deixa pra lá! Seria texto demais para explicar isto tudo.
O que se pode fazer aqui deste país, mera filial deles?

Don Oliva

(*) Não os chamo de "americanos" porque eles não teem o direito de se intitular assim. Eu, você ou um boliviano qualquer também somos americanos.
Temos todos que fazer uma campanha para acabar com isso. Os povos ibéricos em sua grande maioria os chamam de "estadunidenses".

(*) O nordeste dos EUA bem como toda a Nova Inglaterra é onde o racismo, se não é menor, pelo menos sempre foi mais disfarçado.

kel e tiago disse...

muito triste

ndms disse...

Eu gostaria de saber que se alguma dessas crianças fossem parentes de Barack Obama, os administradores desse club manteriam essa decisão fajuta

redatozim disse...

Triste mesmo, kel e tiago

redatozim disse...

Don Oliva, queria muito acreditar que eh uma realidade isolada, exclusiva dos estadunidenses, mas pra mim a intolerancia me parece um fenomeno cada vez mais mundial.

redatozim disse...

Aih o racismo seria velado, ndms, mas o preconceito infelizmente continuaria latente.

Jonga Olivieri disse...

Meu caro Redatozim, a realidade da cultura estadunidense está muito ligada ao seu passado anglo-saxão.
Nós latinos, de um modo geral somos bem diferentes no sentido de como encaramos outras raças e a miscigenação.
É de conhecimento público que o “portuga” era vidrado numa "negona", mesmo que sendo de um ponto de vista destorcido pelo poder colonial. O fato é que a nossa cultura não tem como a deles, “nojo” de outras raças.
Concordo que há racismo em todo lugar. O Sapiens-sapiens destruiu os Neandertais por racismo.
Você se lembra de “Mississipi em chamas”? Aquele personagem que era um político que tudo comandava na cidade defendia conceitos racistas de uma forma abominável, misturando religião com teorias sociais exclusivistas.
No Brasil o racismo é mais hipócrita, mas existe, está certo!
O negro é a maior parte da população pobre, o negro é menos alfabetizado e tem menos oportunidades do que brancos.
Mas o negócio é que eu não posso ver um rabão daqueles que só elas teem!
Don Oliva

redatozim disse...

hahahahaha politicamente correto até o osso, don oliva... bom demais.