quinta-feira, outubro 01, 2009

Complexo de Jô

Hoje eu comentei no twitter sobre o Complexo de Jô, em que não importa qual seja o convidado, a entrevista é sempre sobre o apresentador.

Pois bem, o Complexo de Jô chegou nas redes sociais e parece que não vai sair tão cedo. Na verdade este é um efeito colateral do meio, que amplifica a voz de todos, mas principalmente daqueles que adoram ouvir a própria voz.

Eu não posso negar que seja um caso de Complexo de Jô, mas procuro sempre falar de outras coisas, repassar opiniões alheias, matérias interessantes que nada tenham a ver comigo. Não sei se consigo sempre, mas tento.

Acho que quando as pessoas reclamam desse grande palco de autoassunto que podem ser as redes sociais, não perceberam que eles não criam personalidades. Podem até revelar o que estava escondido (ou enrustido), mas não transformam água em vinho.

E pra falar a verdade, se estamos na era da afinidade, é dizendo o que gostamos e ouvindo do que os outros gostam que vamos criando relações e ampliando horizontes e conexões.

Resumindo, tá tudo certo. Mas que o Jô é chato, é.




Direto na têmpora: Walkin' On The Sun - Smash Mouth

12 comentários:

Micho en el pais de las maravillas disse...

A coisa é bem mais simples, a internet é palco, isso é fato.
O grande lance é o poder da nossa escolha, a nossa liberdade de ver e ler unicamente o que nos interessa.
Sendo assim: Escolha e curta as coisa que vc gosta, cultive suas afinidades e deixe o resto pra lá.
Adorei o post

redatozim disse...

Verdade, micho, todo mundo pode falar e você só ouve se quiser.

ndms disse...

A dúvida que tenho é se o Jô é um chato redondo ou um redondo chato

redatozim disse...

a odrem da chatura não altera o resultado, ndms.

Jonga Olivieri disse...

Mas a internet é palco de quê, minha gente? Acho que as pessoas superestimam.
Bom, outro dia o Julio Hungria, por intermédio do "Blue Bus" disse no twitter que teem os frequentadores "meformers" e "informers". Creio que tem que haver um equilíbrio.
Afinal de contas não se pode falar o tempo todo de si mesmo, como o Jô, que mal deixa os entrevistados falarem, mas acho difícil alquem falar dos outros o tempo todo.
No "Casos" da Propaganda, eu conto casos que aconteceram comigo e com os outros.
Claro que a vivência pessoal acaba determinando muito das nossas narrativas na web.
Mas o complexo de Jô é uma designação perfeita. Porque... Vai ser chato assim lá na casa dele.
Don Oliva

alexandre, contando os dias pro FIQ disse...

redatozim, meu velho, vale também pros comentários do seu ilustre bulógue?

redatozim disse...

Que eh isso, Don Oliva, eh palco onde se arranja emprego, palestras, espaco na midia ou pelo menos alguns segundinhos de atencao.

redatozim disse...

Tem que ser um conjunto, alexandre, aqui o palco eh pequenito demais.

Jonga Olivieri disse...

Tem razão Maurilo, mas... Talvez tenha me expressado mal. Sou, via de regra meio (ou totalmente) radical em meus pareceres, mas queria dizer que de um modo geral em grande parte superestimam a sua importância em nível de penetração (no bom sentido, claro).
Don Oliva

redatozim disse...

Ah, sim, agora compreendi, Don.

ndms disse...

Acho que podemos incluir nesse sistema de chatura o FAUSTÃO. Ele pergunta mas não deixa a pessoa responder

redatozim disse...

Os dois são da mesma espécie, ndms.