segunda-feira, fevereiro 14, 2011

Inté, Ronaldo.

Para emitir qualquer opinião sobre um atleta é preciso deixar claro qual é o seu referencial.

Eu não vi Pelé, Garrincha, Tostão, Puskas, Didi e muitos outros jogarem.

Eu vi apenas o finalzinho de carreira de Cruyff, Beckenbauer, Breitner, Rummenigge e Rivelino.

Eu acompanhei bem de perto Zico, Sócrates, Reinaldo, Van Basten, Gullit, Baresi, Romário, Zidane e Ronaldo.

Esse é o meu referencial e é através dele que formo a minha visão de excelência. Sendo brasileiro, me entristece dizer que o melhor jogador que já vi em campo foi Maradona. Disparado.

Ronaldo talvez tenha sido o melhor centroavante, mas teria que disputar minha preferência com Romário, Reinaldo e Van Basten, por exemplo. Não ouso escolher um entre eles, mas afirmo que Ronaldo foi um dos melhores que vi jogar.

Sou mineiro e atleticano, por isso acompanhei de perto quando Ronaldo surgiu no Cruzeiro e comemorei quando ele saiu. Depois do drible que quase levou à invalidez o Kanapkis, dava pra ver que o moleque ia dar muito trabalho. Mas a minha lembrança mais marcante dele aqui em Minas foi esse gol aqui embaixo (a partir de 1 minuto e 4 segundos).



O mais legal desse lance foi que, ao final do jogo, Ronaldo correu para um dos câmeras e perguntou feliz como um menino "você filmou aquilo ali?".

No meio do caminho vieram os gols inesquecíveis no Barcelona, o fiasco da final de 98, problemas físicos e, quase sempre, um futebol bem acima da média.

Aliás, Ronaldo foi também um dos maiores casos de recuperação que eu já vi. Todo mundo jurava que a carreira do cara tinha acabado quando ele voltou após uma contusão horrível para trazer a Copa e se tornar o melhor jogador de 2002.

O fato é que mesmo fora de forma sempre havia aquela sensação de que bastava um descuido para que Ronaldo acabasse com o jogo (nisso e em muitas outras coisas ele e Romário sempre foram parecidos.)

Durante toda a carreira do Fenômeno, ficava sempre a certeza de que estávamos vendo alguém que teve o melhor e o pior da superexposição na mídia. Contratos milionários e campanhas publicitárias sensacionais se misturavam a relacionamentos tumultuados com mulheres, um escândalo com travestis e descuido da forma física (independentemente do hipotireoidismo).

A aposentadoria de Ronaldo representa para a mim a aposentadoria de um dos muitos craques que vi jogar. Um cara que, se não foi Maradona, ficou indubitavelmente entre os grandes. E em meio a tanta gente boa, isso não é pouco.




Direto na têmpora: Fanfare Parkdale - Metric

8 comentários:

Sakana-san disse...

Ronaldo fez muito pelo nosso futebol, concordo, mas vamos combinar que ele só voltou para um grande clube como o Corinthians, para o time ganhar projeção e para garantir sua aposentadoria como grande herói, pq no exterior ele já não estava com nada, hein?

redatozim disse...

E teve também a crise na europa e etc, Sakana-san, mas não dá pra medir a carreira do cara só pelo final. Se for olhar, Romário terminou a carreira fazendo joguinho aqui e ali pra completar mil gols.

Bruno Garofalo disse...

Vejo que os excessos na balada, vieram refletir agora, no fim da carreira. Mas, sem dúvida foi um o melhor "9" que eu ví jogar. Bruno Garofalo

redatozim disse...

Foi um grande camisa "9" sem dúvida, Bruno.

Gláucio disse...

Sou fã incondicional do ronaldo. Virei viúva dele a partir de hj. Uma pena mesmo. Não só pelo jogador, mas as reviravoltas na vida dele foram lindas demais.

Incrível ter todo mundo apontando o dedo pra vc, dizendo que nunca mais vc voltaria a jogar bola e mesmo assim fazer tudo que ele fez.

redatozim disse...

Foi o que eu falei de 2002, Glauquito, simplesmente impressionante.

Sandro Andrade disse...

É engraçado acompanhar a trajetória de um jogador e ver até onde ele chegou. Estava no Mineirão quando o Ronaldo Nazário fez um gol maravilhoso em cima do Boca Juniors, driblando 4 jogadores portenhos (incluindo o goleiro) pela Libertadores de 94. E fui um dos que ameaçou vaiá-lo quando perdeu um pênalti na final da Recopa Sul-Americana contra o São Paulo. Mas pensei: "ah, é um garoto, vamos poupá-lo e dar mais um tempo para ele". Pois é, esse tempo veio e ele fez o que fez - uma carreira brilhante. E o engraçado é que o lance dele que me deixa mais feliz não foi um gol, mas sim aquela entortada em cima do Kanapkis - muita maldade do dentuço.

redatozim disse...

Aquele lance do Kanapkis marcou atleticanos e cruzeirenses, Sandro. Sinal do que viria por aí.