quinta-feira, julho 03, 2008

Felicidade é...

A Dinamarca foi eleita o país mais feliz do mundo e o Burundi ficou em último. Podemos concluir então que dinheiro não traz felicidade, certo?



E a capital ainda tem nome de chocolate.




Tente não pensar em algo sacana ao dizer "bu-run-di".




Direto na têmpora: Mustapha - Queen

8 comentários:

alexandre. disse...

eu tremo ao ouvir ou ler dinamarca, redatozim.

tudo culpa do galvão bueno, que numa copa dessas aí, referia-se à equipe como "dinamáquina".

medo, pânico, horror.

se o burundi daqui é assim, imagina o da jamaica.
se o galvão bueno daqui é assim, imagina o da jamaica.

Nivs disse...

E de chocolate de verdade, ainda por cima! Nem é Erlan...

redatozim disse...

Alexandre, melhor ser infeliz na Dinamarca ou feliz no Burundi?

redatozim disse...

Ah, sim, nivs, não é dizzioli e nem pan.

ndms disse...

Algo comum nestes países ? Seus habitantes são todos iguais ( brancos num e negros no outro. No Japão também. Viva o Brasil e sua total diversidade

redatozim disse...

E a diferença maior é econômica, ndms, não racial.

Gastão disse...

Redatozim, meu irmão... Totalmente excelente o Direto na Têmpora desse post (talvez inspirado pelo fato de que o Burundi é vizinho da Tanzânia, onde nasceu Freddy Mercury). Botei aqui pra escutar. Sobre o tema, Redatozim, eu acho que dinheiro NÃO traz felicidade. É claro que a extrema falta de dinheiro traz a infelicidade, o que pode explicar a posição do Burundi nesse ranking. Mas dinheiro não traz felicidade. Prova disso é que o índice de suicídios em alguns países ricos é muito alto (a Suécia, se não me engano, é um exemplo). Quer outra prova? Veja o post logo abaixo deste.

redatozim disse...

Concordo em parte, meu bom gastão. A felicidade individual, pessoal e intransferível pode não ter relação com grana. Aliás, tem alguma relação apenas.
Agora, a felicidade coleitva, de um país como é o caso, me parece sim, definida em grandíssima parte pela grana. Enfim, o texto foi mais uma brincadeira do que uma afirmação.
Agora, no caso do Ronaldinho, ele está feliz: orgias com travestis, salário sem jogar, uma mulher que perdoa tudo e uma barriga que prova delícias etílico-gastronômicas apenas sonhadas por nós, isso faz um caboclo daquele sfeliz, uai.