terça-feira, novembro 20, 2007

Nos braços de Morfeu

“Quando fulano morrer, vai voltar pra puxar o seu pé”. E eu me encolhia pra esconder os pezões desproporcionais debaixo dos lençóis.

Depois, lembrava do filme “A Dança dos Vampiros” - que me fazia rir, mas dava um medão que eu escondia - e cobria o pescoço, como se o lençol fininho tivesse estampa de cruz e trama feita de alho.

Ficava nessa disputa, no cobre-e-descobre, entre um medo e outro, pescoço e pés eu todo, a cabeça sobrando de fora e ia dormir meio cansado, minutos depois, quando começava a imaginar os gols do meu time na minha cabeça e tudo então passava.

Sinto muita falta de dormir com a janela aberta em pleno verão de Ipatinga.




Direto na têmpora: Another saturday night - Cat Stevens

4 comentários:

don oliva disse...

Acho que todos nós que fomos crianças um dia passaram por isso.
Lembro-me do calor do Rio, num tempo em que ar-condicionado ainda era luxo, e eu só com o nariz pra fora, suando pra cacilda. Ufa...

Redatozim disse...

Pra mim, um dos piores resultados da violêncioa urbana é o dormir de janela fechada, mesmo com ar, Oliva.

ndms disse...

O pior que la em Ipatinga tinha ainda o problema da " bituca " na testa. Você se lembra disso ?

Redatozim disse...

hehehe lembro, mas isso era só se cochilasse na sala.