quinta-feira, março 10, 2011

Carnavalesco

Dos carnavais em Ipatinga, meio zonzo de tanto tomar Manoela no Esaki, eu me lembro dos planos para entrar nos bailes do Cariru Tênis Clube, de onde eu não era sócio.

Eram estratégias, desculpas e distrações que me valeram o apelido de McGyver junto ao meu amigo Tananan, tudo para encontrar alguma menina ou simplesmente ficar em um lugar onde houvesse menos gente pronta para dar notícias aos meus pais.

Ficávamos naquele alalaô até o sol raiar e depois voltava-se a pé para casa. Dormíamos até as 15h, íamos pro Clube e mal a noite começava já começávamos também mais uma noite de carnaval.

E hoje eu tenho preguiça até de ver os desfiles na Globo.




Direto na têmpora: So many ways - The Mighty Mighty Bosstones

4 comentários:

PC disse...

Gêisa me chamou pra uma balada, no Meu Sítio.
A idéia era a gente dormir no horário de sempre, 21:00, para acordar no horário de sempre, seis e pouquinho, e ver o que sobrava dos desfiles.
Foi assim que peguei o restinho da Beija Flor...
Mó pauleira, a gente ficando velho...

redatozim disse...

Pois é, em termos carnavalescos eu já fiz a minha parte. Pro resto ainda animo, mas carnaval venceu, PC.

Danuza Falabella disse...

tb tô numa preguiça. já tive minhas fases de bailes em clubes, Diamantina por muitos anos, depois fui optando por praia apenas, e ir pra fora do Brasil quando dava. aí que me dei conta que não tinha mais saco pra tal festa. aproveitei quando pude. agora não tenho menor cerimônia em dizer que cansei e tô nem ai se fulano ou cicrano se esbaldou no bloco do blablabla. OUtra coisa que me da arrepios: carnaval de Salvador. pânico. enfim, passou.

redatozim disse...

Pois é, Danny, eu já tive minha cota de Porto Seguro, Ajuda, Conceição da Barra, mas passou demais da conta.