segunda-feira, agosto 10, 2009

Revoluções e imitações

Talvez nem todo mundo saiba, mas os últimos 3 meses foram uma completa insanidade na minha vida profissional.

Saí da Domínio Público em uma situação no mínimo estranha (inclusive devendo uma conversa para agradecer ao Paulo Silva e demonstrar alguns pontos de vista) e fui para a 18.

Mal cheguei na 18 e recebi um convite da ProBrasil. Mesmo adorando verdadeiramente a 18, fiz a escolha por um desafio profissional que me pareceu interessantíssimo em uma agência com um perfil único no mercado mineiro.

A ProBrasil foi uma agência que me impressionou demais por seu profissionalismo, pela vontade de ir além da sua equipe e por sua estrutura bem organizada. Quando achei que ia sossegar, a Tom me ligou com apenas 3 dias de ProBrasil e não tive como resistir. Nototal, fiquei apenas 8 dias por ali.

Sendo assim, para quem ainda não sabe, em 3 meses passei pela Domínio, 18, ProBrasil e agora estou na Tom. Agora que você já sabe da história, vamos ao post em si.

Já disse ao vivo, no twitter e agora aqui, que a dobradinha Ricardo Eletro / ProBrasil dita hoje a linguagem de varejo no país. O estilo de locução, a interpretação da atriz, as "paradinhas", tudo isso vem servindo de "inspiração" para a concorrência.

Agora, no entanto, as Casas Bahia assumiram que, apesar de serem o maior anunciante do país, não passam de uma vendinha de esquina na hora de copiar descaradamente a comunicação do concorrente.

Alem de chupar descaradamente o posicionamento "cobre tudo", as Casas Bahia tentaram usar o dono e agora copiam até o visual da campanha, trocando apenas as listras amarelas e pretas do Ricardo por outras vermelhas e pretas.

Acredito plenamente que essa boquetaria publicitária não é uma decisão estratégica da Young & Rubicam, agência que atende as Casas Bahia. Aliás, quero muito acreditar nisso. A mim parece que, para manter a conta extremamente lucrativa, faz-se tudo, até submeter-se ao ridículo sob mando do cliente.

Sinto muita vergonha e me apiedo dos profissionais da Y&R que são obrigados a praticar uma felação descarada no trabalho da ProBrasil e submeter-se à condição vergonhosa de divulgar um anunciante sem criatividade, sem posicionamento e sem identidade. Acreditem, nenhum profissional de criação tem prazer em se prestar a esse tipo de situação.

Mesmo que nunca tivesse passado pela ProBrasil, iria sentir a mesma coisa. É uma vergonha que um anunciante do porte das Casas Bahia precisa rastejar tanto para combater a concorrência.

Seria menos vexamoso contratar toda a equipe da ProBrasil e "dar um sumiço" no Ricardo. Pelo menos a admissão de incompetência não seria tão pública como é hoje no horário nobre.




Direto na têmpora: You can't always get what you want - Rusted Root

29 comentários:

Gabi Alvarenga disse...

É impressionante ver uma agência com tanto reconhecimento e com um anunciante tão grande se submeter à copia. Também não acredito que seja por parte dos profissionais de criação que trabalham lá. O buraco é mais embaixo.
Mas, pelo menos, o público e o mercado está atento!
Sensacional Maurilo!! VAI DAR TUMULTO!

Angel disse...

Maurilo, de cara já gostei do post por ter me atualizado sobre o seu "paradeiro". Fico muito feliz em saber que você está de volta à Tom! Bom pra você e bom pra Tom! Sobre o trabalho que a PróBrasil vem executando com o Ricardo, é exatamente o que você disse: está ditando o ritmo e a linguagem de varejo no país.Aqui em Cuiabá, mesmo não tendo Ricardo Eletro, todos os grandes varejistas locais conhecem e admiram a comunicação do Ricardo Eletro. Todos acompanham de perto as campanhas. E realmente as tem como referência. Parabéns pra ProBrasil!

ndms disse...

É isso aí: dar a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é de Desus.

Jonga Olivieri disse...

Vamso por partes... Como diria o estripador.
Varejo no Brasil... Bom, varejo em quase todo o mundo é triste, gritado, agressivo.
Como sou um publicitário – em vias de me tornar tão somente um artista plástico – , quando entra um comercial de varejo, sinceramente, a primeira coisa que faço é apertar a tecla de "mudo" no meu controle remoto.
Por acaso tive a oportunidade de trabalhar na Provarejo (numa época que tentou revolucionar o varejo no país). Daí, pode-se dizer: "Mas... A Mesbla fechou!" E eu diria que fechou por “ene” motivos para além da publicidade. O fato é que o varejo da Mesbla chegou a um ponto de sofisticação estética digna de not. E de comentários gerais. Quando digo geral é porque o povo comentava. O filme de natal da borboleta (do meu amigo Delano D’Ávila) é uma obra prima.
A C&A também conseguiu uma linha de varejão diferenciada.
Mas as casas Bahia (que me desculpe a Y&R, na qual já trabalhei) tem um posicionamento tétrico.
É necessário repensar a comunicação do varejo. Não é possível continuar a fazer propaganda no grito. Os nossos ouvidos merecem algo melhor... Mais criativo... Mais limpo!

Quanto aos seus pulos de lá pra cá. Saudades do tempo em que eu fazia isso. Hoje, Don Oliva (64) desistiu de abordar agências de publicidade. A minha decisão pela pintura em definitivo está a se tornar uma boa opção. Minha analista achou que foi o maior passo que eu dei no meio da crise que ceifou os mais velhos de oportunidades nas agências. Tenho um bom “marchand” e estou a vender bem os meus quadros.
Fora isto é o tal negócio: antes eu era um diretor de arte que pintava nas horas vagas... Hoje, considero-me um artista plástico que ainda faz uns frilas de quando em vez. Tenho dois clientinhos que me dão alguma coisa por ano. E uma mini agência de outro velho amigo (68) que tem conseguido algum trabalho ocasional.
Aproveite a maré, Redatozim! Apesar de as agências terem perdido a graça, ainda temos que usufruir disto. Quando podemos, porque a moçada hoje em dia não quer saber de quem tem know-how. No que apenas fazem o jogo do “poder” que quer pagara cada vez menos e obter uma “mais-valia” cada vez mais abusiva.
Don Oliva

lilaemarcelo disse...

concordo com Jonga; varejo é puro grito! Também mudo de imediato o canal. Aqui em Salvador temos a Insinuante, que briga forte com a Ricardo, mas nos mesmos moldes; gritaria, um dizendo que cobre o preço do outro, nenhum argumento diferente ou cativante além do preço. E o pior é que estas empresas aqui em Salavdor têm altos índices de reclamação. Gastam rios brigando na propaganda, mas esquecem do atendimento ao público!

redatozim disse...

Gabi, pra mim não há vergonha maior do que a chupada premeditada na propaganda. O acaso, acoincidência acontecem, mas usar a cópia como estratégia de comunicação é vergonhoso e anti-ético.

redatozim disse...

Pois é, Angel, o mundo dá voltas (boas) e aqui estou eu de novo. Realmente a linguagem do Ricardo vem trazendo resultados pra empresa e arranjando admiradores e, infelizmente, copiadores da pior espécie. Beijo grande.

redatozim disse...

isso de querer ser o outro e esquecer quem se é é sempre humilhante, ndms.

Kika disse...

maurilo, qnto a sua jornada entre as agências, acho q vc fez as escolhas certas, nos momentos certos. já sobre a cópia da casas bahia, posso dizer q como estou dentro do processo, às vezes enxergo a situação meio miope, e vc escreveu exatamente o q eu sinto e gostaria d dizer sobre o assunto. obrigada e sucesso!

redatozim disse...

Don Oliva, as Casas Bahia vendem muito e são fortíssimas no varejo. Isso ninguém discute e se o grito funciona assim , que gritem. No entanto, elas vêm perdendo mercado para a Ricardo e agora partiram para a cópia descarada. O problema não é escolher esse ou aquele caminho de comunicação, é escolher justo o caminho do concorrente.
Quanto à publicidade, Oliva, vamos tentando fazer o melhor e seguir no mercado. Medo de mudar não existe, mas ainda gosto disso aqui apesar de tudo.

redatozim disse...

O pior não é a gritaria, Lila, essa é uma decisão estratégica que pode se mostrar eficiente ou equivocada independete do nosso gosto pessoal. Me preocupa mais a ética mesmo.

redatozim disse...

Valeu, Kika e muito sucesso pra você.

Gastão disse...

Redatozim, você deve ter acompanhado uma estratégia adotada recentemente por concessionárias de veículos de BH em comerciais de rádio, de botar o locutor gritando meio agressivamente?

-Pode dividir em 60 meses?
-POOODE!!
-Pode levar MP3 grátis?
-É CLARO QUE PÓÓDE!

Se não me engano, começou com a Catalão Veículos. Aí uma outra imitou descaradamente, e agora a Catalão voltou com isso.


Acho tosco.

Já pensou o Varicel usando esta estratégia?

-Pode acabar com as hemorróidas?
-PÓÓDE!
-Pode enfiar o Varicel na sua boca?
-TAMBÉM PÓÓÓÓDE!

redatozim disse...

Podia ser pior, Gasta, a Varicel podia chupar aquela campanha do Harpic. Imagina você em casa e a Ingrid Guimarães chegando e perguntando sorridente: "Oi, Ewerton, posso dar uma olhada no seu toba?"
Muito triste.

Quel disse...

Começou com a cópia desse "batidão", do jeito de gritar, as palavras usadas, os recursos gráficos. Mas daí pra copiar posicionamento?! Pelo amor de Deus!!! Qdo vi aquele VT das Casas Bahia dizendo que cobrem qq preço quase tive um colapso! Depois aquela palhaçada de Raul Gil saindo de dentro da sala e dizendo que o dono autorizou preço?! Cá entre nós, acho que estão fazendo decupagem de VTs da Ricardo Eletro pra fazer roteiro das CB... e só trocando o nome do anunciante. Agora o fundo vermelho e preto foi o fim da picada!!!!

redatozim disse...

Pois é, Quel, nem é questão de peça parecida ou conceito semelhante, é simplesmente identificar e copiar detalhes, posicionamento, pontos fortes, etc. Um lixo.

LEOSATHLER disse...

É isso aí Andreas.
Aliás, se existe o CTRL+C e CTRL+V, pra quê gastar fosfato com criações novas? A Y&R fez o que o Sr. Klein mandou: copia TUDO.

redatozim disse...

Que mandou eu não sei, Leo, mas que é uma vergonha descarada, é.

Micho en el pais de las maravillas disse...

Eu sei não viu?
Será que eles não pensaram nem um pouco na primeira coisa que me veio a cabeça na hora que vi o comercial? Claro que não foi casas bahia...a primeira coisa que eu pensei foi Ricardo Eletro...
Será gente? será que o povinho é besta assim mesmo? fazendo o publico lembrar do concorrente no horario nobre?
E como fica a questão pratica?
que mão de obra! que leilão desenfreiado!
Um horror! uma vergonha total.

redatozim disse...

Pois é, Micho, talvez eles apostem em um volume maior de mídia para dar a impressão de que quem copia é a Ricardo ou talvez tentem apenas neutralizar o que vem dando certo pro concorrente. Não sei os motivos, mas que é feio, é.

Anônimo disse...

Redatozim, você fez muito bem em trocar a ProBrasil pela Tom. Sua frase 'para manter a conta extremamente lucrativa, faz-se tudo, até submeter-se ao ridículo sob mando do cliente.' vale também para a ProBrasil, pode acreditar. A ProBrasil não tem Diretor de Criação e os clientes deitam e rolam por lá. Criativo como você não teria vez lá dentro e o mérito é sempre da dupla-mor, que se acha autosuficiente.

redatozim disse...

Anônimo, pelo jeito você trabalha ou já trabalhou na ProBrasil, mas realmente não foi o que eu vi quando estive por lá. Respeito sua opinião, mas lamento que você não tenha se identificado, infelizmente fica sem credibilidade.

danny falabella disse...

eu vi e achei uma lastima...antes voltarem com aquele mala nojento do "quer pagar quanto?" do que fazer um boquete deste...

danny falabella disse...

a proposito que bom que vc voltou pra TOM! adorei saber e tb amei o inhoTOM kakakakka

redatozim disse...

Chupar o concorrente pra mim é a prova de incompetência maior, Danny. Mas, enfim, eles tiem a verba eles que se entendam.
Ah, valeu pelos parabéns.

CelsoCão disse...

tudo bem que qualquer chupada não consegue ser muito nobre, mas tá funcionando?

Andrezinho disse...

Belo texto, my friend. Como te disse aquele dia e já citado por você, talvez pelo volume imensamente maior de mídia, as Casas Bahia não tem o menor pudor em chupar. Afinal, para o telespectador, vai ficar sempre a impressão de que a RE foi quem chupou. O foda é a sensação depois do acontecido: fica aquele misto de raiva por ter um trabalho chupinhado apenas alguns dias depois de veicular com a satisfação de estar incomodando uma gigante do setor.

redatozim disse...

Acho que não tá funcionando não, Cão, afinal, a Ricardo vem ganhando terreno das Casas Bahia já faz um tempinho.

redatozim disse...

E eu acho que a satisfação tem que ser maior, Andrezinho, porque vocês estão mostrando trabalho e incomodando, enquanto eles se desesperam e apelam.