sexta-feira, julho 27, 2007

O nome da coisa

Eu lembrei de um caso muito bacana outro dia, mas sabia que não poderia contar aqui por causa das implicações aos profissionais envolvidos. Pois bem, vou mudar produto, nomes e tudo mais e torcer pra ninguém fazer a ligação com a história real, porque foi realmente inacreditável.

Cliente novo, um empreendimento grande (digamos, um supermercado), o dono da agência resolve contratar um escritório de design para fazer a marca. O nome estava definido: Supermercado Jeremias.

Tempos depois o designer traz a logo, com um grande SJ, o cliente aprova e tudo caminha bem até que em plena reunião o dono da agência tem uma idéia brilhante: que tal mudar o nome? E sugere algo como Hiper Vendas. O cliente gosta do nome, aprova e o dono da agência vai levar a notícia à sua equipe de criação. Enquanto ele falava todo entusiasmado sobre sua brilhante sugestão eu levanto a bola: "ok, mas o designer vai ter que mudar a marca, né?"
"Ué, por quê?"
"Bom, a marca é SJ, o nome do negócio agora é Hiper Vendas, ou seja HV."
"Ah, isso não tem problema não."
"Como, não? a marca vai ter as iniciais diferentes do empreendimento."
"Olha, deixa pra lá, o cliente já aprovou, está tudo certo, vai sair assim."
Todo mundo ficou ali, olhando pra aquilo meio constrangido, sem saber o que dizer.

Pouco depois saí da agência e não acompanhei mais o processo do famigerado "case", mas o legal mesmo foi ver que, menos de dois anos depois, o Hiper Vendas mudou de nome e agora chama de novo Supermercado Jeremias. Nada como o tempo para expôr os idiotas e os gênios.




Direto na têmpora: Não identificado - Portastatic

13 comentários:

Cejunior disse...

É aquela velha história: todo mundo se acha um gênio incompreendido. Ou um técnico de futebol fantástico. Ou médico infalível...
E vai por aí.
Minha filha, que também é da área, tem umas histórias ótimas.
Um abração e bom fim de semana.

oliva disse...

Eu acho que sei que história é essa... ou será que teve outra?

Priscila Andrade disse...

Credimcruzmangalôtreisveiz!!!
me deu repiu naspinha, porque me lembrou dimediato uma pseudoagência que trabalhei, horrenda, que começava mal pelo... nome! Mas isso, pelos mesmos motivos que você, te conto em off (ou é of? affff...).

Beijocas na fofolete

Redatozim disse...

Pois é, Cejunior, esses delírios de grandeza são foda. Mas enquanto você é taxista e se acha mum grande treinador, tudo bem, o perigo é quando entregam o time na sua mão. Aí danou-se.

Redatozim disse...

Don oliva, é exatamente aquela mesma história. Ou pelo menos imagino que seja.

Redatozim disse...

Ah, Priscila, como eu queria que fosse um fato isolado. O pior é que rola coisa pior todo dia por aí. Aiai.

oliva disse...

Tinha que ser...

Rubens disse...

Bem que o sujeito podia argumentar que SJ eram as iniciais de Hiper Vendas em aramaico e assim manter a marca. Pelo visto, criatividade é o que não falta pro sujeito...

Redatozim disse...

Criatividade é sempre melhor quando se tem uma caneta na mão e um tacape na outra, meu caríssimo Rubéola. No caso em questão, o que menos precisava era de justificativa.

zega disse...

trabalhei em uma agência em que se usava muito uma frase entre os colegas: “não faz onda que eu como bosta”. o gênio-dono pulou foi de ponta, típico.

Redatozim disse...

E ainda tem ondinha rolando ou fechou o boteco?

zega disse...

imagino que as águas devam estar mais calmas agora, já que a maior fazedora de ondas foi dar mortais em outra praia não faz muito tempo... ;)

Redatozim disse...

praias européias, imagino...