quarta-feira, abril 18, 2007

Maria Lenk e Guiñazú

Maria Lenk morreu aos 92 anos enquanto nadava. Tem gente que realmente nasce pra virar poema. E por falar em poesia, segue aí um raro caso de texto em prosa de Alberto Guiñazú.

"Perdi meu velho relógio de ouro na calle Suypacha. Veio de Cartagena, pagamento de favor que meus 20 anos fizeram sem pensar em recompensa. Na verdade, foi recebido lá mesmo, no sujo do cais, no calor patrão, e eu o trouxe para Buenos Aires junto com uma sífilis recém contraída, algum dinheiro e um beijo de Mirella.
De lá pra cá, 58 anos em nada se passaram. Não me casei com Mirella, não voltei a Cartagena, nunca curei direito a sífilis. Agora um tic-tac maldito me sumiu dos ouvidos e Buenos Aires nunca me pareceu tão grande."




Direto na têmpora: Fever - Lyrical Jazz

8 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Este Alberto Guiñazú tem realmente textos incríveis.
Não consego, no entanto, localizá-lo na internet.
Há algum endereço específico?

Redatozim disse...

É um escritor menor, Oliva. Uruguaio e tal, é meio difícil achar na web. Se quiser, te passo alguma coisa por email.

Renata disse...

Não, não é um escritor menor!!! Que absurdo!

oliva disse...

Claro. Quando puder passe os links ou o que seja. tenho interesse de conhecer melhor.

Raquel disse...

Bacana mesmo, heim...

Redatozim disse...

Ah, Rê é menor sim, ainda mais perto do Onetti e do Horacio Quiroga (uruguaios também). Mas eu também gosto dele.

Redatozim disse...

A partir de segunda te informo mais sobre ele, Oliva. Valeu.

Redatozim disse...

Bom que gostou, Raquel.