quarta-feira, março 07, 2007

Graaaaaaaande surpresa

O meu ipod morreu. De repente, não mais que de repente, apagou todas as músicas. Minha sorte é que, desconfiando da maquineta setevejobniana desde o princípio, mantive todas as músicas do pcpod intactas.
Vai ser um saco passar tudo pro ipod de novo, mas pelo menos não perdi nada de maneira definitiva. Bem que eu falei que o aparelhito não tinha me conquistado ainda.
Já rolou esse mesmo problema com mais gente aqui na TOM e o que me encantou mesmo foi a explicação do técnico: "pois é, às vezes acontece". Ora, com mil diabos!




Direto na têmpora: Cult of personality - Living Colour

8 comentários:

oliva disse...

AI PODE um negócio desses?
Eu sei que esta foi horrível, como diria o Jô, mas nãi oude perder a chance, já que veio a cabeça.
Coisas da vida...

Bruno Bicalho disse...

No meu caso, o grande problema é a bateria do aparelho. Na verdade, meu ipod não tem mais bateria - tem que ficar conectado praticamente o tempo todo na tomada. É o meu "som do quarto" - muito bom , por sinal!

Tem que dar um desconto também. É da 3a geração de ipods e tem 2 anos e meios de vida... é quase um tijolão... :)

Redatozim disse...

Oliva, essas coisas tem que botar pra fora mesmo. Imagina guardar um negócio horrível dentro de você? Credo, vira até doença.

Redatozim disse...

Pois é, Bruno, sempre tem uma coisinha. Aqui na agência já morreram 4 ipods ao todo. E o meu pcpod lá, gigante, parrudo e completamente vivo.

Anônimo disse...

Eu tenho dois e eles nunca morreram. Mas o de uma amigo já morreu. Vc tem certeza de que depois ao ressucitar as músicas não estão lá? Pois o dele foi assim, não perdeu as músicas!

Redatozim disse...

Nenhuma música viva. Foram elas que morreram, aliás, o ipod ainda respira.

kel e tiago disse...

o nosso morreu tb. mas pra valer, começou deletando músicas e agora nem liga mais.
seu ipod subiu no telhado...
estou até com medo de levar no técnico e ele falar isso.

Redatozim disse...

Nem me fale nisso. Música a gente põe de novo, mas ver o bichinho ali, morto, sem vida, deve doer demais. No bolso, principalmente.