quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Logradouros

Eu acredito que alguns lugares acabam virando personagens da vida da gente. Em Ipatinga teve o Clube Morro do Pilar, a velha casa da rua Alfa e o Centro Comercial do Cariru.
Aqui em BH, entre outros lugares, não dá pra esquecer a Av. Prudente de Morais. Quando eu vinha pra cá, ainda pequeno, descia com minha tia para fazer compras na Camponesa, um mercadinho que havia por ali, onde depois foi o Champion que agora está desativado. Favor não confundir com a Nova Camponesa, que eu só fui conhecer bem depois e que não ficava na Prudente.
Até hoje tem a Fofão, com o melhor risole de milho do planeta e um pão de queijo de respeito. Comprava figurinhas e quadrinhos na Riccio e, quando me mudei pra BH ainda sem telefone, era também no correio da Prudente que mandava cartas para meus amigos.
Meus dois irmãos estudaram por ali: um no Pitágoras, outro no Montessori. Nos meses que meu pai morou comigo, antes da família toda se mudar, vivíamos no Piuzana, com seus espetinhos deliciosos e cerveja gelada. Tinha também a carrocinha de churros que ficava no CB e que agora está no Cosmic Bowling, e a Guilden bem no comecinho, quando ainda era reduto dark.
No Banco Real da Prudente abri minha primeira conta bancária e por ali voltei a pé várias manhãs, direto do Savassinuca. Aliás, por ali eu ia a pé pra casa do Gastão, pro Fox, pro Loyola e até pra rodoviária.
Foi no Hermes Pardini da Prudente que descobrimos que a Fernanda estava grávida da Sophia.
Dessas bobagenzinhas e desses fatos inesquecíveis se faz uma rua. No caso, uma avenida. Até porque em “avenida”, quem tem lembrança quase sempre consegue ler “e na vida”. E se a gente olha direito, descobre que a vida da gente ficou mesmo um pouco ali. Se Deus quiser, pra nunca mais sair.




Direto na têmpora: Lost in the harbour - Tom Waits

26 comentários:

HB disse...

Redatozim, isso prá mim é um roteiro de um filme de 90". Ele faz parte da campanha Avenida da Minha Vida... rs rs

Faltou definir onde vai entrar locução em off. Ou vai ter um âncora dizendo o texto para a câmera??

Os personagens são ótimos, inclusive a Sophia com a participação especial.


abz...

HB

kel disse...

engraçado, apesar de morar na serra, a prudente de morais também foi muito importante na minha vida. estudei no pitágoras, quase todos meus amigos moravam por aquela região. comprava chicletes importados na gergelim (que naquela época eram diferentes e raros). atravessava a avenida para ir matar aula no minas. adorava e ainda adoro lanchar no beirute. e por aí vai...
uma avenida tumultuada, que se inunda a cada "inesperada" chuva. uma avenida com a maior concentração de churrasquinhos por metro quadrado de bh. carregada de boas lembranças.
hummmm, deu saudade.
o mais engraçado é que esse é um discurso típico de belorizontino. hehe. fazer o quê?

Redatozim disse...

Porra, Hugo, sabe que Avenida da Minha Vida dá um senhor projeto para homenagear BH? Quer pensar nisso a sério? Gostei muito da idéia.
E pra mim a locução é em off, mas tem que ajeitar o texto que tá bem mal escritinho.

Redatozim disse...

Kel, as inundações acabaram!!!! Pelo menos esse ano choveu como o cão e até agora nada. Mas BH, por mudar tanto, tem dessas coisas mesmo de dar saudades de pouco tempo atrás. E o Beirute é bom mesmo hmmmmm

Raquel disse...

Já ouviu falar do projeto de fazer um elevador lá na Prudente que nem aquele Lacerda de Salvador?

Eu sempre achei essa idéia bacana, pena que a prefeitura não tem grana pra gastar com estes divertimentos, né?

Continuo acompanhando seu blog, que é bem legal, viu.

Redatozim disse...

Putz, essa eu não conhecia. Iria ficar ali na passagem pro São bento? Ou pro lado dos bairros? Aqui, Raquel, perdi o link do seu blog. Manda aí pra eu linkar e acessar. Ah, obrigado pelo elogio.

Raquel disse...

Eu acho que era pro Santo Antônio, pra cortar morro, sabe?
Meu blog (que vai vestir roupa nova em breve)é: www.descabimento.blogspot.com

Bebella disse...

Adorei encontrá-lo neste blog e me deparar com um relato tão "vivo" para mim também. Como estudei no Loyola e no Pitágoras, a Prudente marcou momentos memoráveis. Foram várias noites viradas no lote da Eureka, QG da equipe de gincana - Maldito Fechecler ... muitas cervejas no Gaivota, lanches e boas conversas no Doce Vida, festas no Guimarães Rosa, muita carona nos sinais, papos cabeças nas calçadas, sovetes, pizzas e entregas de prêmios na Fox. Aliás, a Fox também entrou na minha vida, anos depois de ter fechado, quando me casei com o Sadiga, um de seus donos (e recentemente tivemos a Amanda). Atualmente, tem as farmácias ... posto de gasolina, Mac Donald's, assessórios prá Bike, Amarelinho, boliche, exames no Pardini, claro, ... e mto trânsito!! É, dá um livro sim. Que bacana.

Redatozim disse...

Putz, ia ser uma ótima idéia. Como eu subi aquelas ladeiras a pé quando morei na Teixeira de Freitas. Ah, linkei seu blog, viu?

Redatozim disse...

Putz, Bebella, muitíssimo bem lembrada a Doce Vida. Era da Dona Marta, mãe do Gastão e tinha salgados que beiravam o absurdo de tão bons. Eureka, boa lembrança onde hoje é o Shopping Jardim. E olha, sabe que eu nunca saí do Fox sem ser convidado a me retirar porque o bar ia fechar? Inclusive tenho dezenas de fotos careca comemorando minha aprovação no vestibular ali. E Amanda, linda? Daqui a pouco coloco foto nova da Sophia aqui pra você ver como ela está. Beijão.

Gastão disse...

Redatozim, meu irmão, mas que beleza... Você bem sabe que a Prudente é muito importante para mim também... Morava a 1 quarteirão de lá. A Doce Vida (citada pela bebella) é parte fundamental da minha vida, já que minha mãe foi sua fundadora e proprietária por 14 anos, o que por si só produz centenas de causos. As primeiras vezes que abusei dos meus neurônios tiveram a Prudente como cenário. E tantas outras coisas: 2901,5901 e 2902... Expresso e Drogazap (mistura explosiva)...Companhia do Vídeo... Aquele sanduba que tinha ao lado (Ko-Milão?)... Fox e Gaivota... Fogazza (sucessora da Doce Vida). Muito legal!

Redatozim disse...

Cara, o Expresso! Putz! Foi ali, na Companhia do Video, que eu contei pra você o final do Estranho no Ninho que você tinha acabado de alugar. Isso sem falar na sua vizinha gostosa que a gente espiava de binóculos e que também morava quase na Prudente. Bons tempos.

Gastão disse...

Pois é, cara, a Prudente (peço licença para meter a colher na sua idéia) na verdade tem uns afluentes, como uma bacia... Mais que uma avenida, ela é uma região. Minha casa não ficava na Prudente, nem a sua, nem o Expresso, nem a loirinha que a gente espiava. E às vezes eu aproveitava as ruas íngremes e escuras da margem esquerda de quem vai para o Santa Lúcia, para relaxar e pensar na vida. Grande Prudente.

Redatozim disse...

Ô Gasta, muito boa colher. A Prudente é o centro de muita coisa, a referência. Não é só o endereço físico, mas emocional. Êta nóis! Grande Prudente.

Bebella disse...

Pois eh! Sabe que tive contato o o vasto universo Stones (fiquei impressionada com a quantidade de vinil deles) em uma festa nos fundos da Doce Vida. Agora não lembro se a festa era do Gastão mesmo ou de algum amigo ... Fui com minha prima, Mariana, que naquela época namorava (...) ih! me deu branco - o Maurício ou o Vassoura!!
Maurilo, qual seu e-mail prá te apresentar minha Amanda? Sou doida prá conhercer a Sophia tbm!! Saudades ...

Redatozim disse...

Bebella, torço muito pra que fosse o Maurício o namorado da sua prima, coitada, porque Leo Vassoura é foda risos. Meu email: maurilo@tomcomunicacao.com.br.

Bebella disse...

Todo mundo tem seu dia ruim e seus lapsos .... não é mesmo ? A Pitú que o diga!!! Háháhá

Renata disse...

Best post ever! I Loved it!

Redatozim disse...

Demorei umas boas duas horas pra sacar que Pitu era a cachaça, Bebella hehehe. E renata, muito obrigado mesmo, viu? Que bom que gostou.

Gastão disse...

Bebella, você é "aquela" Isabella, prima da Mariana?? Que bom te reencontrar aqui!! Pelo que lembro a Mariana namorou tanto com o Léo quanto com o Maurício. A festa de que você falou devia ser minha mesmo, naquela época eu era movido a Stones e Raul Seixas. Aliás, essa é outra coleção boa de lembranças que a Prudente me traz: as festas na Doce Vida. Lembro de uma em que um amigo do Maurilo chapou todas e apagou deitado no banco. Não sei se foi nessa mesma festa que uma prima minha (o cacófato foi proposital) foi com um decotão, com os peitos quase pulando para fora. O pessoal nem dava conta de conversar olhando no rosto dela.

Redatozim disse...

O Tielvis foi o protagonista da bodada. Tsc, tsc, tsc.

Bebella disse...

Oi Gastão!! Isso mesmo. Boas recordações, né? Essa amiga do Maurilo não fui eu ... nesta época ainda não éramos amigos, pois nos conhecemos no famoso CEC da Comunicação! Ele era metaleiro (e eu perdi essa...)
Agora me conta uma coisa. Era no Doce Vida que tinha um pastel português de chocolate???

Jonga Olivieri disse...

Pôxa! Ôxente! Ora veja!
Naurlão. Qaundo fui para Beag;a em 1985, para a ASAm especificamente, fui mirae no São Bento. Até porque para ir à agência, era só subir a ladeira.
Como andava pela Prudente! Ia neste supermercado que vc falou. E tinha aquele quarteirão pertinho com a banca e uns barezinhos.
Depois, fui para a Livre Propaganda. Mesmo assim continuei mornado no São Bento. Fim de semana eu ia comprar o JB na Prudente.
Mas, quando a Livre fechou, fui para a JMM. Ficava ali atrás, na Cidade Jardim.`Quase sempre, saia de lá e ia tomar uns golos alí nos tais bares da Pridente. Tinham uns espetinhos maravilhosos.
Valeu!

Jonga Olivieri disse...

Ih, meu, esse negócio de escrever aqui na janelinha sempre tem a possibilidade de erros mil.
Falando sério, estou sóbrio, trabalhando em casa (pra caceta).
Bom, talvez seja isso...
"Desculpe o meu português ruim", citando o poeta...

Redatozim disse...

Bebella, eu era metaleiro light. Não perdeu muito não.
Don Oliva, não escreveste mal não. Tá tudo certo, pode ficar tranqüilo. No mais, tô impressionado como a Prudente é marcante. Nem sonhava com isso quando escrevi.
Valeu!

Gastão disse...

Isabella, pastel português de chocolate não era lá na Doce Vida, não... Lá tinha de especial era um pastel de milho delicioso (quando acabava de fritar, se passasse um tempo ficava paia) e o pastel Juscelino (que continuava bom mesmo depois de idoso).