segunda-feira, maio 14, 2007

Momento deprê

Vai aí um Guiñazú pra lá da curva de deprê.


Respiro

"Esta cidade que somente no escuro se mostra fala com o olfato, não com os olhos. Cidade que exala e sussurra aromas, do podre ao perfume, do excremento ao canteiro, manjares dos deuses e restos mortais.
Cidade que inspiro e sufoco. Olhos cerrados, peito aberto e um sótão de certezas a desabar diariamente."




Direto na têmpora: Here - Pavement

6 comentários:

Renata disse...

Deprê ou não, é simplesmente MARAVILHOSO!

Priscila Andrade disse...

Maravilhoso!!!

Bom, como além de deprê sou absolutamente EGOCÊNTRICA, vou de Priscila Andrade mesmo:

Autofagia

Deviam me amarrar com as minhas tripas
Em um tronco feito com meus ossos
Me alimentar apenas com minhas carnes
Matar minha sede com meu sangue

Assim, e somente assim
Me realimentaria de mim mesma
E voltaria a me reconhecer no espelho.

oliva disse...

Guiñazu merece um livro com suas poesias incríveis.

Redatozim disse...

Obrigado, Rê.

Redatozim disse...

Priscila, do caralho o poema. Maravilhoso!

Redatozim disse...

Oliva, estamos na torcida pra achar o cara na livraria também. Quem sabe...