quinta-feira, outubro 21, 2010

Porque eu acho que (não) vale tudo na política

Estava em uma cidade do interior fazendo campanha para um candidato à prefeitura quando recebemos o telefonema. Um câmera da nossa equipe tinha flagrado distribuição de gasolina para a população por parte do nosso adversário e havia sido ameaçado por militantes, tendo que se afastar.

O rapaz pedia orientações e aguardava em um local seguro, a alguma distância do posto de gasolina.

Um figurão da política de Minas Gerais, inclusive com atuação em Brasília por muito anos então sentenciou:

- Manda ele ir.

Eu contra-argumentei que o rapaz poderia se machucar ou até coisa pior e tive que ouvir o absurdo.

- Melhor. A gente deixa ele apanhar um pouco e depois manda a polícia pra tirar ele. Aí fica tudo gravado.

Nessa hora eu chamei nosso candidato a prefeito de lado e argumentei.

- Olha, ganhando ou perdendo, essa eleição passa e você continua vivendo aqui com sua mulher, com seus filhos, com seu estabelecimento. O rapaz tem família, não vale a pena essa sujeira pra ser eleito.

Resolveu-se que seria feita uma denúncia à justiça eleitoral, enviada a polícia ao local e uma equipe de segurança para proteger o câmera que continuaria a uma distância segura.

A denúncia não deu em nada, mas nosso "prefeito" foi eleito e, espero, manteve a consciência limpa.

Ontem houve confronto em uma caminhada de Serra no Rio de Janeiro. Houve tumulto, confusão e a notícia que recebi foi de que Serra havia sido agredido.

Não voto em Serra (ou em Dilma), mas achei um absurdo, um ato de desrespeito à democracia e que mostra a falta de preparo do brasileiro para o debate e uma tremenda incapacidade de conviver com a discordância.

No entanto, hoje o meu amigo Zé Álvaro me mostrou um vídeo do SBT sobre a confusão. A postura dos partidários de Dilma foi deplorável, mas não menos feio foi o que Serra fez.

O filme mostra o que parece ser uma bolinha de papel atingindo Serra e o candidato seguindo em frente normalmente, sem nenhum problema. 20 minutos depois, ele recebe uma ligação e começa a sofrer instantaneamente de fortes dores, náusea e tonteiras.

O PSDB divulgou nota dizendo que Serra foi atingido por um objeto pesado, o que contraria o vídeo e o médico não constatou nenhum ferimento local, mas ainda assim concede que as náuseas podem ter sido causadas pelo impacto.

É vale-tudo em dose dupla.

Vale-tudo de quem acha legítimo o confronto físico, a intimidação e a tentativa de agredir Serra, não apenas, mas inclusive com uma bolinha de papel.

Vale-tudo de quem acha legítimo mentir e simular uma situação apenas para desmoralizar a "turma da Dilma", sem perceber que algumas vezes esse tipo de impostura prejudica mais o impostor do que quem quer que seja.

Para mim, mais um argumento em favor da minha decisão de anular meu voto.



O vídeo do acontecido. Prato cheio pra quem gosta de sentir vergonha alheia.




Direto na têmpora: Things - Split Enz

12 comentários:

Lucas Queiroz disse...

Boa Maurilão. A intolerância com o partido alheio é a mesma do futebol, por exemplo. Foi um pedaço de papel que atingiu o senhor burns, mas poderia ser uma pedra. O fingimento dele acho que foi uma tática pra sair da confusão. Goste do Vampiro brasileiro ou do baby da família dinossauros, não precisa cair na porrada.

redatozim disse...

É um absurdo atirar qualquer coisa contra quem se oponha a você, Lucas. Lembra do Roger com a mexerica? Pois é.

Mas o Serra demorou 20 minutos pra demonstrar dor e foi fazer tomografia? Não é tática pra sair da confusão, é má fé.

E concordo com você, não precisa cair na porrada.

PC disse...

tô perdendo metade da graça com esta história.
Por isto adorei sua definição de democracia, dia destes.

redatozim disse...

verdade, PC. O cara quer votar nbo Serra, deixa. O cara quer votar na Dilma, deixa. O cara quer votar nulo, deixa. Será que esses caras acham que o direito à opinião tá virando ofensa?

zega disse...

olha mãe, tô famoso, apareci no pastelzinho!

redatozim disse...

olha o zé aí.

Anônimo disse...

O MotoSerra tinha que fazer um workshop com jogadores de futebol, eles são muito bons nisso.

Daniella Simões disse...

A única coisa que não me sai da cabeça, principalmente nesse segundo turno é: se eles tem propostas boas para mudar o Brasil para melhor, porque todas as aparições deles são dirigidas para atacar o outro, não entendo!

redatozim disse...

É o tipo da história em que ninguém está certo, Anônimo. Expressionante.

redatozim disse...

Concordo plenamente, Daniella. E se vc compara o pouco que está sendo proposto é tudo tão igual...

Rapha Garcia disse...

Meu voto no segundo turno é Enéas, 56!

redatozim disse...

Belo voto, estou pensando nele também, Rapha.