quinta-feira, março 28, 2013

Minha opinião sobre o estágio

Acho que fazer estágio é algo muito diferente hoje do que era na minha época.

Antes de mais nada, ninguém fazia estágio para pagar faculdade. O nome disso era emprego, estágio era outra coisa.

Estágio era pra aprender, pra entrar no mercado, para conhecer os feras. Eu fiz estágio na SMPB com Geraldo Leite, Marcos Camargos Aderbal Teixeira Rocha Jr, Roberto Boca, Ricardo Carvalho, Amaury Vieira Silva e, se me lembro bem, recebi meio salário pra isso. Vou te falar, foi fundamental.

Se eu fosse estudante hoje, aceitaria alegremente meio salário mínimo para fazer estágio com profissionais como Márcia Lima, Cris Cortez, Dan Zecchinelli, Guilherme Araujo e tantos outros. 

Claro que o estagiário precisa de uma remuneração digna, mas outro dia eu vi gente reclamando de salário de R$ 1.500,00 para estagiários. Será que é isso mesmo? Mil e quinhentos reais (recebido, não pago) é pouco para quem está estudando fazer um período de aula prática tão importante?

Peraí. É claro que o estagiário contribui com a agência e merece ser recompensado, mas ele está ali pra conhecer, pra ganhar experiência e se formar.

Eu tive estagiários que hoje são profissionais fodaços. Gente como Laura Esteves e André Maia que sempre se importaram mais em crescer do que em fazer o pé de meia enquanto estagiavam.

O resultado aparece depois, quando entram pro mercado e juntam o talento que já têm com a experiência que ganharam. Aí eles arrebentam e ninguém segura.

Mas isso não foi um presente, foi uma vitória. E eles souberam a hora de ouvir, a hora de contribuir e a hora de assumir o show.

Admiro muito gente assim, que entende bem que para poder voar, é preciso primeiro aprender a caminhar.

De novo, sou totalmente a favor de uma remuneração digna para os estagiários, mas acho que muita gente ainda precisa entender que o reconhecimento é uma conquista, não um direito divino. E que poder aprender com quem sabe é uma puta oportunidade.




Direto na têmpora: Amongst the dead forever - Kult Country

4 comentários:

PC disse...

Já fiz estágio com Almir Sales, com David Paiva, remunerado como empregado, mas contribuindo como estagiário. E eles com a maior paciência comigo.
Rosina tentou me chamar, como empregado, e eu não aceitei, de tanto que eu aprendia.
Fui pra São Paulo, pagando viagem e estadia, pra estagiar com os top de RP da época.
E acho que o jeito de começar foi perfeito. E acho que trabalharia por menos, se negociacem comigo.
Ainda tava barato!

redatozim disse...

Eu acho que se a gente trabalha com quem é bom o ganho tem várias formas, né não, PC?

Leonardo Freitas disse...

Comentário de um estagiário: concordo com alguns pontos. Fiz estágio na agência laboratório da minha faculdade e recebia menos de meio salário. Entretanto aprendi coisas que levarei para o resto da minha vida. Era o estágio da forma que você disse: era uma aula prática. Hoje faço estágio em um importante instituto e caso a bolsa fosse menor que 1 salário eu não aceitaria como fiz no outro. Sabe o motivo? Boa parte das vagas de estágio que estão por aí são vagas onde você mais trabalha do que aprende. Gosto muito de onde estou, mas trabalho e tenho responsabilidades de um empregado normal... Esse é um problema de muitas empresas, elas querem um estagiário para substituir um profissional ($$$).
O dia que eu trombar com uma vaga que mais do que oferecer trabalho, ofereça também aprendizado eu ficarei bem feliz recebendo somente o vale-transporte e um pão na chapa :). Parabéns pelo texto... e tomara que eu tenha a sorte de estagiar com craques também.

redatozim disse...

Estagiário é pra aprender, não para ser empregado e carregar piano. Concordo com você, Leonardo, tem lugares que deturpam a função mesmo.